VOLTAR

Aprovadas as novas metas de reciclagem

Nova meta de reciclagem de resíduos urbanos: 65% até 2035

Segundo as metas propostas em 2015 pela Comissão Europeia e hoje aprovadas pelos Estados-membros, até 2025 devem ser reciclados 55% dos resíduos urbanos, percentagem que deve aumentar para 60% até 2030 e para 65% até 2035.

 

Em relação às embalagens, foi fixado um objetivo global de 65% até 2025 e de 70% até 2030, sendo as metas setoriais de 50% (até 2025) e 55% (até 2030) para embalagens de plástico, 25% e 30% para as de madeira, de 70% e 80% para as de materiais ferrosos, 50% e 60% para as de alumínio e de 75% e 85% para as embalagens de papel e cartão.

 

Com base na atual obrigação de recolha seletiva de papel e cartão, vidro, metais e plástico, as novas regras de recolha seletiva permitirão reforçar a qualidade das matérias-primas secundárias e a sua utilização: os resíduos domésticos perigosos deverão ser recolhidos separadamente até 2022, os biorresíduos até 2023 e os têxteis até de 2025.

 

Segundo um comunicado da Comissão Europeia, a deposição de resíduos em aterro não faz sentido numa economia circular e pode poluir as águas, o solo e o ar, pelo que esta opção deverá ser abandonada progressivamente.

 

Assim, até 2035, a quantidade de resíduos urbanos depositados em aterros deverá ser reduzida para 10% ou menos da quantidade total de resíduos urbanos produzidos.

 

Ao longo das duas últimas décadas, muitos Estados-membros têm vindo a melhorar gradualmente a sua gestão de resíduos, em consonância com a hierarquia dos resíduos estabelecida pela UE:

  • Em 1995, 64% dos resíduos urbanos, em média, foram depositados em aterros na UE.
  • Em 2000, a média foi reduzida para 55%, ao passo que a taxa média de reciclagem atingiu os 25%.
  • Em 2016, a deposição em aterro de resíduos domésticos na UE diminuiu para 24%, tendo aumentado a taxa de reciclagem para 46%.

 

Fonte: Lusa