VOLTAR

Novo Relatório da Fundação Ellen Macarthur

Principais resultados:

  • A poluição do ar, a contaminação da água, a exposição a pesticidas e o uso excessivo de antibióticos e fertilizantes estão tornando a alimentação saudável impossível para as pessoas em todo o mundo.
  • Até 2050, cinco milhões de pessoas por ano podem morrer devido a fatores industriais de produção de alimentos - duas vezes o número atual de pessoas mortas pela obesidade e quatro vezes o número de pessoas mortas em acidentes de trânsito no mundo
  • Um redesenho da economia circular para a indústria de alimentos significaria que o alimento é cultivado de uma maneira que regenera os recursos naturais e localmente onde for relevante; o lixo é eliminado através de melhor redistribuição e uso de subprodutos; e alimentos saudáveis ​​são produzidos sem a necessidade de práticas nocivas
  • 80% dos alimentos serão consumidos nas cidades até 2050, o que significa que eles detêm a chave para a criação de um sistema alimentar saudável

 

Os "assassinos" ocultos associados ao sistema de produção linear de alimentos estão a tornar a alimentação saudável impossível em todo o mundo, de acordo com o mais recente relatório da Fundação Ellen Macarthur, produzido com o apoio da SYSTEMIQ, e lançado hoje no Forum Económico Mundial em Davos. 


O uso excessivo de pesticidas, antibióticos na pecuária e gestão inadequada de fertilizantes pode levar a 5 milhões de mortes por ano em todo o mundo até 2050, o dobro do atual número de mortes causadas pela obesidade, e quatro vezes o número devido a acidentes de trânsito . 

 

O relatório destaca os enormes danos ambientais causados ​​pela produção de alimentos. Fertilizantes sintéticos, pesticidas e estrume mal administrado exacerbam a poluição do ar e contaminam os solos e a água. 

 

A produção de alimentos é atualmente responsável por quase um quarto das emissões globais de gases de efeito estufa. E mesmo quando tentam fazer escolhas alimentares saudáveis, os consumidores estão em risco devido à forma como os alimentos são produzidos.

 

A cidade do Porto foi uma das 4 cidades visadas no estudo, juntamente com Bruxelas, São Paulo, e Guelph no Canadá. Os casos de estudo focaram-se em aferir o estado atual dos sistema de produção/consumo em cada cidade e, mediante a integração de principios de circularidade, calculou os benefícios económicos e ambientais associados. No caso do Porto, os benefícios podem ascender a 11.3 Milhões USD e 12.200 toneladas de CO2eq evitadas.

 

Fontes: